Léo Santos não vê grandes mudanças no camp após anúncio de Efrain Escudero como novo rival
Escrito por Rafael Lavô    Qua, 10 de Setembro de 2014 11:20    Imprimir


Brasileiro, campeão do TUF Brasil 2, irá encarar norte-americano que faturou o TUF 8 em Brasília, no UFC Fight Night 51

A menos de três semanas para o UFC Fight Night 51, em Brasília (DF), que acontece neste sábado, dia 13 de setembro, Léo Santos teve seu adversário modificado. O peso-leve da Nova União, que antes encararia o polonês Lukasz Sajewski, estreante na organização, agora vai ter pela frente o campeão do The Ultime Fighter 8, Efrain Escudero. Apesar da mudança repentina, o vencedor do TUF Brasil 2 não lamenta as pequenas alterações que teve que fazer em seu camp, iniciado de forma intensiva em meados de agosto.

Segundo Léo, o pouco tempo até a luta impossibilitam mudanças muito drásticas. Escudero já lutaria em Brasília, contra Francisco Massaranduba, e acabou remanejado para enfrentar Léo Santos. "O tempo é muito curto, não dá para fazer grandes mudanças no camp ou no estilo de jogo. Já conheço como o Escudero luta. Fiz pequenas modificações em algumas áreas técnicas, mas nada de muito relevante. Mantive a vontade de entrar no octógono e sair com a vitória, como sempre penso", comenta o tetracampeão mundial de jiu-jitsu na faixa-preta, que no MMA soma 12 vitórias e três derrotas no cartel.

A mudança de um adversário sem experiência para um lutador que chega para a terceira passagem no UFC também não intimida Léo. "Não posso escolher adversário. A vontade de vencer e de apresentar o meu melhor é sempre a mesma. Me sinto preparado para enfrentar qualquer um na categoria. Quero subir cada vez mais e mostrar todo meu valor, seja contra o Escudero, o Sajewski, ou qualquer outro", decreta.

Confiante para lutar no peso ideal

Desde que conquistou o contrato com o Ultimate, Léo entrou no cage apenas uma vez, em Natal, contra Norman Parke, em março deste ano, e a luta terminou empatada. Na ocasião, o brasileiro, de 34 anos, passou por dificuldade para recuperar o peso depois da pesagem, o que foi prejudicial no combate.

"Estou me sentindo muito bem e mais forte com essa situação do peso. Realmente, não sei dizer o que aconteceu daquela vez, que no dia da luta não recuperava o peso. Fez bastante diferença. Senti o Parke bem mais forte, enquanto eu estava muito magro e seco. Me desgastei demais, mas para esse novo confronto tenho certeza que não terei problemas. Já me adaptei novamente", garante.

Última atualização ( Qua, 10 de Setembro de 2014 11:21 )